Janeiro convida os observadores de galáxias

Domingos Soares

08 de janeiro de 2010

As Nuvens de Magalhães e a galáxia de Andrômeda se exibem nos céus!

Começa agora a temporada da Grande Nebulosa de Andrômeda e das Nuvens de Magalhães. Três galáxias, e muito especiais. Teremos ótimas ocasiões de vê-las no céu.

Utilizei a carta celeste eletrônica "Stellarium" para mostrar estas maravilhas do reino das galáxias. Quem quiser, pode instalar a carta eletrônica em seu computador, e ver uma simulação do céu, em qualquer dia e horário. O programa está disponível gratuitamente na rede mundial de computadores. Vá ao Google, digite "stellarium", pegue o executável gratuito, e instale no seu computador. E você poderá ter uma idéia do céu, em qualquer dia e hora.

A galáxia de Andrômeda -- localizada na constelação de Andrômeda -- é também conhecida como M31, pois 31 é o seu número no catálogo do astrônomo francês Charles Messier (1730-1817). M31 é o objeto astronômico mais distante possível de ser observado a olho nu. E realmente não é fácil. A galáxia está a 2 milhões de anos-luz. A noite deve estar bem "limpa" e escura, e o observador deve ter ótimos olhos. Em geral, vê-se apenas a região central da galáxia, que é uma espiral com belos braços espirais (reza a lenda que certos pescadores têm descrito a observação de tantos detalhes na Grande Nebulosa de Andrômeda, que nem o Telescópio Espacial Hubble foi capaz de confirmar..., mas isto é uma estória para discutirmos em outra oportunidade).

A galáxia de Andrômeda está assinalada pelo quadrado incompleto no centro da imagem. Ela está a pouco mais de 20 graus acima do horizonte, como indica a grade de referência azimutal. Note, para sua orientação, o ponto cardeal Norte, embaixo, à direita. As estrelas dentro dos retângulos são, da esquerda para a direita, alfa e beta de Andrômeda, as duas mais brilhantes desta constelação. O dia é 04/01/2010 e a hora 21:03.
(Crédito: Domingos Soares/Stellarium)

As Nuvens de Magalhães -- a Grande e a Pequena -- são galáxias satélites da nossa Via Láctea. Elas foram avistadas em 1520 pelo navegador português Fernão de Magalhães (1480-1521). Ele foi o primeiro habitante do hemisfério Norte a se referir a elas em suas anotações de viagem. Daí os nomes dados a elas.

A Grande Nuvem e a Pequena Nuvem são facílimas de ver. Basta um céu limpo. As duas estrelas mais brilhantes do céu (Sirius, a primeira, e Canopus) apontam para elas. Veja a segunda imagem.

Resumindo, as Nuvens podem ser facilmente vistas a olho nu; já a galáxia de Andrômeda pode apresentar certa dificuldade.

Quem observar estas três maravilhas, por favor, não deixe de mandar um comunicado, para que todos compartilhemos de sua grande realização astronômica!

Boas férias e bons céus!

As estrelas Sirius e Canopus, as duas mais brilhantes do céu, apontam diretamente para a Grande Nuvem de Magalhães. A Grande Nuvem é a mancha esbranquiçada no interior do quadrado. A Pequena Nuvem está assinalada pelo retângulo na beirada da imagem. Note o ponto cardeal Sul, no canto direito inferior. Mesmos dia e hora da imagem de M31.
(Crédito: Domingos Soares/Stellarium )


Este texto foi publicado no Portal UAI (Jornal ESTADO DE MINAS), na coluna Olhar Longe.