AS ESTRELAS DA BANDEIRA BRASILEIRA


Prof. Renato Las Casas (01/06/99)

Colaborou: Prof. Domingos Sávio de Lima Soares

 

 

A disposição das estrelas no céu, no início das noites de junho, é a mesma representada na Bandeira Brasileira. Dia 5 essa disposição acontecerá às 19:20h.

As estrelas e as constelações representadas na nossa bandeira correspondem ao aspecto do céu na cidade do Rio de Janeiro às 8:30h do dia 15 de novembro de 1889; local e data da proclamação da república. Dia após dia, durante o ano, essa mesma disposição se repete no céu quatro minutos mais cedo. No dia 5 de junho de cada ano, às 19:20h, a disposição das estrelas no céu de Belo Horizonte e regiões vizinhas é quase exatamente a mesma representada na Bandeira Brasileira. Em 1999, nesse dia e horário, estaremos dando uma aula a céu aberto, com a utilização de recursos multimídia, sobre esse tema, no Observatório Astronômico da Serra da Piedade. (Veja Programação para 05/06/99)

 

REPRESENTAÇÃO INVERTIDA

 

Na nossa bandeira, o Distrito Federal e cada estado da federação estão representados por uma estrela. São portanto 27 estrelas de 8 constelações representando os atuais 26 estados e o distrito federal brasileiros.

 

 

Para identificarmos no céu essas estrelas, a primeira coisa que devemos notar é que em nossa bandeira as estrelas aparecem invertidas (espelhadas) em relação à disposição que as vemos no céu. Isso porque segundo a lei No 5.700, de 1 de setembro de 1971, que dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos nacionais, as estrelas na Bandeira Brasileira, devem ser consideradas como vistas por um observador "situado fora da esfera celeste".

 

 

CONSTELAÇÕES

 

Uma nomenclatura das estrelas, das mais utilizadas, segue a seguinte regra: Em cada constelação a estrela mais brilhante recebe o nome de Alfa; a segunda mais brilhante recebe o nome de Beta; a terceira mais brilhante de Gama; e assim por todo o alfabeto grego. Temos assim a Alfa, a Beta, a Gama, etc. do Cruzeiro do Sul; a Alfa, a Beta, a Gama, etc. de Escorpião; e assim por diante.

Apresentamos a seguir, constelação por constelação, a representação dos estados brasileiros em nossa bandeira. Utilizamos a notação salientada acima, sendo que em alguns casos (correspondentes a algumas das estrelas mais brilhantes) apresentamos também os nomes mais tradicionais dessas estrelas.

 

 

AS ESTRELAS E OS ESTADOS

 

Podemos notar que de uma forma não rígida, a escolha da estrela representante de cada estado procura seguir uma correspondência entre a localização do estado no território brasileiro e a localização da estrela no céu. Assim é que os estados "centrais" do Brasil, dentre eles Minas Gerais, estão representados por estrelas do Cruzeiro do Sul; estados a oeste estão representados por estrelas do Cão Maior; etc.

Ao contrário do que muitos pensam, Alfa da Virgem, ou Spica, aquela estrela que aparece solitária sobre a faixa "Ordem e Progresso", não representa o Distrito Federal. Spica, que no céu se encontra bem ao norte, representa o estado do Pará. O Distrito Federal é representado pela Sigma do Octante, a menos brilhante de todas as estrelas da nossa bandeira. Essa estrela é tão pouco brilhante que está próxima ao limite de visualização a olho nu. Ela contudo foi escolhida para representar o Distrito Federal por estar bem próxima ao pólo sul celeste. Sendo assim ela não apenas está sempre no céu (em qualquer dia e qualquer horário) para nós do hemisfério sul; como também vemos, durante uma noite, todas as estrelas girarem em torno dela.

 

REPETIÇÃO

 

O diagrama a seguir nos ajuda a visualizar que se uma determinada estrela está bem acima de nossas cabeças hoje à meia noite, daqui a 3 meses ela estará bem acima de nossas cabeças às 6 da tarde. Em um mês as estrelas se "adiantam" no céu por aproximadamente 2 horas e em um dia por aproximadamente 4 minutos. Note que isso é verdadeiro apenas para as estrelas. Devido à rotação da Lua em torno da Terra e dos planetas em torno do Sol, vendo da Terra, eles se movimentam em relação às estrelas, que parecem fixas umas em relação às outras, e não apresentam essa mesma periodicidade.

 

 

Apresentamos um mapa do céu como será visto no dia 5 de junho próximo às 19:20h a partir de Minas Gerais, onde marcamos as estrelas da Bandeira Brasileira com traços amarelos. A identificação de cada uma dessas estrelas pode ser feita com o auxílio das figuras acima. A experiência tem nos mostrado ser a identificação dessas estrelas no céu uma excelente prática para o conhecimento e memorização das constelações do hemisfério sul.

 

 

 


Leia mais sobre:

 

Constelações           Cartas Celestes           Observação